Mensageiro de Jesus

Ele está sempre a nos chamar. Vem! Segue-me!

chamado de MateusEmbora sejamos pecadores, o Filho do Homem veio para nos salvar e continuamente nos convida a segui-Lo. O que nos impede de atender a este divino chamado? (Mt 9, 9-13).

“Naquele tempo, partindo dali, Jesus viu um homem chamado Mateus, sentado na coletoria de impostos, e disse-lhe: “Segue-me”! Ele se levantou e seguiu Jesus”.

Estando Jesus em Carfanaum, Ele se dirigia para perto do mar, onde os cobradores de impostos realizavam seu antipático trabalho. Lá havia um intenso movimento comercial na época. E por todas as mercadorias que lá circulavam devia-se pagar um imposto a Roma, porque Pompeu, ao conquistar Jerusalém no ano 63 a. C., sujeitou toda a Palestina ao Império Romano, e uma das consequências foi a imposição de diversos tributos.

Havia então, os cobradores de impostos que eram denominados publicanos. Em razão dos frequentes abusos cometidos por estes, em benefício próprio,  tornaram-se eles objeto de especial ódio e desprezo de todos, que os consideravam ladrões.

Nosso Senhor Jesus Cristo, que conhece o interior dos corações e não leva em conta a opinião dos homens, escolhe Mateus para ser um de seus Apóstolos, dizendo-lhe simplesmente “Segue-Me”!

“Enquanto Jesus estava à mesa, em casa de Mateus, vieram muitos cobradores de impostos e pecadores e sentaram à mesa com Jesus e seus discípulos. Alguns farizeus viram isso e perguntaram aos discípulos: Porque vosso Mestre come com os cobradores de impostos e pecadores?

Vê-se que Mateus se regozijou com o chamado de Nosso Senhor, a quem tanto admirava, a ponto de dar uma festa de despedida, para a qual não só O convidou, como também seus conhecidos, publicanos em sua maioria, como se pode supor.

Segundo os costumes do Oriente, naquele tempo, esses festins eram mais ou menos públicos e se podia entrar no recinto por mera curiosidade. Além disso, sendo Jesus já famoso por seus milagres e cativantes ensinamentos, todos queriam ver o que se passava na casa do publicano. Sem dúvida alguma,  a inesperada vocação de Mateus desagradou muito aos fariseus, que espionavam a cena. Como eles procuravam encontrar defeitos em Nosso Senhor, decerto se alegraram vendo que O haviam apanhado num grande erro, segundo o critério deles.

“Jesus ouviu a pergunta e respondeu: “Aqueles que tem saúde não precisam de médico, mas sim os doentes. Aprendei. pois, o que significa: Quero misericórdia e não sacrificio. De fato eu não vim para chamar os justos, mas os pecadores”.

Jesus, que desde toda eternidade conhecia aquela objeção, ouviu o que eles  diziam, e na sua resposta manifesta uma fina ironia. Ao pronunciar esta frase, talvez Jesus usasse um timbre de voz que movesse as consciências, visando levantar um profundo problema no interior daqueles fariseus. Pois Ele assumiu a natureza humana para nos conduzir a todos, débeis e infiéis, ao bom caminho da santidade. Foi o que Ele fez com o publicano chamado Mateus.

Quais seriam as qualidades mais salientes de Mateus? Sem dúvida, a fé, aquela mesma que justificou Abraão, e o amor, para qual a fé abre as portas porque só ela não basta. Contudo a virtude que mais brilhava no cobrador de impostos de Carfanaum, era a flexibilidade em relação as moções da graça: bastou Jesus passar perto dele e dizer “Segue-me” para que ele se levantasse imediatamente, abandonasse tudo e O seguisse. Que admirável docilidade à voz de Deus!

Admiremos e imitemos, pois o luminoso exemplo de fé e de amor deste Evangelista que a tudo renunciou para atender, com espírito resoluto, o chamado divino, sem nos deixarmos vencer pelos atrativos terrenos. Num mundo que voltou as costas a Deus, abandonemos por inteiro as ilusórias delícias do pecado e entreguemo-nos decidida e incondicionalmente a Jesus, pelas mãos de Maria.

Sobre o autor Visualizar todos os posts Autor website

Reinaldo

Reinaldo

O idealizador deste site quer que seus leitores recebam um precioso recado de Jesus, que os orienta sobre a melhor maneira de pensar, agir e viver.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado *